terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

CAMPANHA POR UMA NAÇÃO ARMADA - 52

BOLETIM NR 52
_ A PÁ DE CAL NA AUTOSSUFICIÊNCIA EM BLINDADOS _
UMA AVALIAÇÃO VISUAL DO QUE FOI DESPERDIÇADO EM TERMOS DE EXPERIÊNCIA E ECONOMIA

"ESSES BLINDADOS, SE NÃO TIVESSEM SIDO DESPREZADOS NA DÉCADA DE 1980, PODERIAM ESTAR HOJE APERFEIÇOADOS, NAS SUAS VERSÕES "III" OU "IV",
SEM PRECISAR ENCHER O BOLSO
DE QUEM COBIÇA A AMAZÔNIA!"
Área de anexos
Visualizar o vídeo SantaCatarinaBR- Blindados fabricados no Brasil em 80 MBT Osorio , MBT Tamoyo e VBTP Charrua do YouTube
_  UMA SOLUÇÃO _
Imagem relacionada
_A LINHA DE AÇÃO QUE SÓ SERIA TOMADA COM O MARECHAL FLORIANO PEIXOTO
NA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA E O GENERAL MOURÃO NO MINISTÉRIO DA DEFESA_

A Volta do EE-T1 Osório
FONTE WIKIPÉDIA
Atualmente, há uma versão do Osório em exposição no Museu Militar Conde de Linhares -RJ (E MAIS UMA NO CENTRO DE INSTRUÇÃO DE BLINDADOS EM SANTA MARIA/RS, OU SERIA A MESMA?).
Commons

O Exército Brasileiro herdou, por decisão judicial, o patrimônio tecnológico da ENGESA. E hoje, se houver interesse do comando do Exército, a retomada do projeto poderia realizar-se engenharia reversa nessa unidade restante do EE-T1 OSÓRIO, aperfeiçoando-se a nova versão do carro para os padrões atuais, seria possível a retomada do projeto e também a produção em larga escala. Também seria preciso a construção de uma nova instalação para a montagem final do carro de combate, juntamente com a modernização ou mesmo a troca de parte do maquinário herdado pela Imbel. Seria possível também o desenvolvimento de uma versão do Osório na configuração de obuseiro autopropulsado e também uma na configuração de carro de combate de defesa antiaérea. Mesmo com todo o maquinário de produção não se sabe porque o comando do Exército ainda não autorizou a retomada do projeto pois uma eventual construção de uma fábrica não custaria mais de 75 milhões, o que é uma quantia desprezível quando em comparação à recente compra realizada pelo Exército dos Leopard 1A5 de fabricação alemã.

A PEDOFILIA VAI À ESCOLA

por Percival Puggina. 
Artigo publicado em 20.01.2016
Você já parou para pensar sobre o motivo dessa farta produção de literatura voltada à educação sexual nas escolas? Não vou nominar obras para não fazer publicidade de lixo pedagógico, mas há de tudo. O famoso kit gay não foi o primeiro nem o último material pernicioso. O Ministério Público chegou a intervir, em alguns casos, para impedir a distribuição. Há publicações que, explicitamente, estimulam experiências auto-eróticas, heterossexuais e homossexuais. Um desses livrinhos vem com a recomendação, aos pequenos leitores, de que devem conservar o referido "material escolar" fora do alcance dos pais...
A questão que me interessa aqui é a existência de uma pedagogia da educação sexual que anda a braços com a pedofilia. É estarrecedor. Todo esse material que de um modo ou de outro chegou a alunos ou a bibliotecas de escolas tem rótulo de coisa pedagógica. Quando suscita escândalo, é defendido com a afirmação de estar destinado a professores ou a adolescentes. Falem sério! Professores e adolescentes precisam de livro sobre sexualidade, com figurinhas para público infantil?
Estamos, portanto, diante de algo sistemático, reincidente e renitente, que passa por cima, atropelando ("problematizando", para usar palavra da pedagogia marxista) a orientação dos pais. Essa educação sexual, se não está empenhada em antecipar o processo de erotização no desenvolvimento infantil, está dedicada a algo tão parecido com isso que se torna impossível perceber a diferença. Se não está dedicada a disseminar a ideia de que o corpo humano, já na mais tenra idade, é um parque de diversões eróticas, o produto de seu trabalho será inequivocamente esse. Se não pretende oferecer a crianças e adolescentes um cardápio de opções sexuais para escolherem como sanduíche no balcão do McDonalds, é a isso que levam suas propostas.
A simples idéia de que tais orientações encontrem guarida em receitas pedagógicas no ambiente acadêmico e educacional do país é repugnante. No entanto, já em 1998, no capítulo sobre Educação Sexual do documento intitulado "Parâmetros Curriculares Nacionais" elaborado pelo MEC, lê-se que (pag. 292):
"Com a ativação hormonal trazida pela puberdade, a sexualidade assume o primeiro plano na vida e no comportamento dos adolescentes. Toma o caráter de urgência, é o centro de todas as atenções, está em todos os lugares, na escola ou fora dela, nas malícias, nas piadinhas, nos bilhetinhos, nas atitudes e apelidos maldosos, no “ficar”, nas carícias públicas, no namoro, e em tudo o que qualquer matéria estudada possa sugerir."
Ora, isso não parece exagerado? Talvez quem redigiu o texto acima padeça de tão solitário e totalizante apelo. Na faixa etária mencionada, os interesses são bem diversificados. Entre eles se incluem também os esportes, a escola, a turma de amigos, os jogos de computador e a própria família. Mais adiante, o texto afirma (pag. 296):
"Nessa exploração do próprio corpo, na observação do corpo de outros, e a partir das relações familiares é que a criança se descobre num corpo sexuado de menino ou menina. Preocupa-se então mais intensamente com as diferenças entre os sexos, não só as anatômicas, mas todas as expressões que caracterizam o homem e a mulher. A construção do que é pertencer a um ou outro sexo se dá pelo tratamento diferenciado para meninos e meninas, inclusive nas expressões diretamente ligadas à sexualidade, e pelos padrões socialmente estabelecidos de feminino e masculino. Esses padrões são oriundos das representações sociais e culturais construídas a partir das diferenças biológicas dos sexos, e transmitidas através da educação, o que atualmente recebe a denominação de “relações de gênero”. Essas representações internalizadas são referências fundamentais para a constituição da identidade da criança."

Está aí a ideologia de gênero e a subsequente revogação que pretende promover da anatomia, da genética e dos hormônios, cujos efeitos estariam subordinados a padrões sociais. Tá bom! E o texto segue afirmando o direito das crianças ao prazer sexual, a naturalidade das manifestações e "brincadeiras" explícitas, de quaisquer natureza, às quais, na escola, se aplicaria apenas a jeitosa informação de que o ambiente não seria lá muito apropriado para isso. E adiciona: tais incontinências só deveriam ser levadas ao conhecimento dos pais quando "tão recorrentes que interfiram nas possibilidades de aprendizagem do aluno". É o legítimo caso em que o pedagogo, com objetivos desviados, erra pelo que ensina e erra pelo que deixa de ensinar.

Documentos provam que Lula e d. Marisa mentiram o tempo todo

SERÁ QUE O "PIXULECO" VAI PARA A CADEIA?? 
É PRECISO QUE SE REPASSE!!

Documentos provam que Lula e d. Marisa mentiram o tempo todo

     
01.jpg

Pedro Marcondes de Moura
IstoÉ
Na sexta-feira 29, o Ministério Público de São Paulo intimou para prestar depoimento o ex-presidente Lula, sua mulher Marisa Letícia e o ex-presidente da OAS, Leo Pinheiro. Lula será ouvido em 17 de fevereiro como investigado, sob a suspeita de ter praticado crimes de ocultação de patrimônio e lavagem de dinheiro. Frente a frente com os promotores, a família do ex-presidente e o empreiteiro terão de apresentar justificativas mais plausíveis do que aquelas já expostas até agora a respeito do tríplex localizado no condomínio Solaris, no Guarujá, e reformado pela OAS, que na semana passada transformou-se em alvo da mais recente fase da Operação Lava Jato. As suspeitas, segundo os procuradores, recaem sobre o uso dos apartamentos do Solaris, entre eles o de Lula, para “repasse disfarçado de propina a agentes envolvidos no esquema criminoso da Petrobras.” Em outras palavras, pagamento de suborno do Petrolão.
IstoÉ teve acesso a três documentos que comprometem as versões exibidas por Lula, desde que o caso veio à tona. No ano passado, quando surgiram as primeiras denúncias de que a empreiteira OAS, envolvida nas falcatruas da Petrobras, desembolsou mais de R$ 700 mil na reforma do apartamento no litoral paulista, o Instituto Lula se esmera em negar com veemência que o ex-presidente ou a ex-primeira-dama Marisa Letícia sejam donos do imóvel. Eles seriam, segundo insistem em afirmar, apenas cooperados de uma cota da quebrada Bancoop, a Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo, já comandada por dirigentes petistas, como João Vaccari Neto e Ricardo Berzoini, hoje ministro de Dilma, que deixou mais de três mil famílias sem ver a cor de seus imóveis e do dinheiro aplicado por eles movidos pelo sonho da casa própria.
O discurso do principal líder petista persistiu até semana passada, apesar de toda a sorte de depoimentos que confirmaram a presença rotineira de integrantes da família Lula durante as obras responsáveis por mudar (para melhor) a configuração do tríplex.
LULA SEMPRE FOI O DONO
Os documentos que IstoÉ apresenta agora revelam que Lula jamais abriu mão do imóvel. Há sete anos, a família Lula deveria ter exercido o direito, caso tivesse interesse, de se desfazer da cobertura de frente para a praia e receber a restituição em dinheiro do que havia desembolsado até ali. Mas não o fez. Na época, um acordo foi selado, transferindo o empreendimento atrasado e inacabado da Bancoop para a OAS.
Ratificado na assembleia dos proprietários em 27 de outubro de 2009 e subscrito pelo ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, o “Termo de Acordo para Finalização do Residencial”, de 14 páginas, é taxativo. Diz que os investidores do inacabado Residencial Mar Cantábrico, renomeado tempos depois para Solaris, tinham dez dias a contar daquela reunião para se desligarem da Bancoop. Precisavam, afirma a cláusula 8.1 do capítulo VIII, também optar entre duas opções em até 30 dias. A primeira, afirma o capítulo X, receber os valores em espécie com multa. A outra consistia em manifestar o desejo de ficar com o imóvel e custear novas despesas para sua finalização. Os valores já pagos, então, iriam ser transformados em uma carta de crédito pela OAS que deveria ser “usada com exclusividade como parte de pagamento para a aquisição de unidade do empreendimento”.
ÚLTIMA OPORTUNIDADE
Evidente que aquela era uma oportunidade para que os até então aspirantes a adquirir o imóvel desistissem dele, caso tivessem vontade. Mais do isso. As cláusulas 8.2, 8.3 e 8.4 afirmam que “os cooperados que não atenderem ao disposto item 8.1 infringirão deliberação da Assembleia” e “serão penalizados” com a “sua eliminação da Bancoop”. Não foi uma mera ameaça. Segundo apurou IstoÉ junto a cooperados da empresa, quem descumpriu esses itens acabou acionado na Justiça.
Por isso torna-se completamente inverossímil a nota divulgada pelo Instituto que leva o nome do ex-presidente, quando sugere que a família Lula poderia decidir, em 2015, entre ficar ou não com o apartamento. Se porventura isso acontecer, sobretudo depois da eclosão do escândalo, ficará configurado mais um favorecimento da empreiteira OAS, implicada no Petrolão, ao petista e seus familiares.
Outro documento ao qual ISTOÉ teve acesso revela que a OAS nunca colocou à venda o tríplex destinado à família Lula, o 164 A, ao contrário da atitude tomada em relação a outros imóveis descartados por cooperados em 2009.
TRÍPLEX FOI “PRESERVADO”
Os apartamentos dos que não demonstraram interesse em migrar da cooperativa para a empreiteira, logo, foram repassados ao mercado. É lícito supor que se Lula tivesse manifestado a intenção de se desfazer da cobertura, seu apartamento receberia o mesmo tratamento dos demais. Definitivamente não foi o que aconteceu. A tabela de vendas com 12 páginas, de uma empresa associada à OAS e responsável pela comercialização das unidades restantes do Solaris, no Guarujá, é bem clara. O documento datado de fevereiro de 2012 mostra que 33 unidades do condomínio Solaris estavam disponíveis naquela ocasião. Em uma das colunas, a tarja preta sobre o tríplex 164 A de Lula indica que, sim, o imóvel já tinha dono e não poderia ser comercializado. Naquele ano, havia até um tríplex esperando por compradores, mas o da torre vizinha ao prédio de Lula.
Autoridades familiarizadas com o esquema da Bancoop também estranham outra afirmação do Instituto Lula: a de que Marisa teria adquirido cotas do empreendimento. “Genericamente, este negócio de cotas é coisa de consórcio. Cooperativa, como a Bancoop, é algo diferente. Ali, o que a pessoa adquire é um apartamento X ou Y”, diz o promotor paulista José Carlos Blat.
Num outro documento obtido por IstoÉ, um dos cooperados – que preferiu ter o nome preservado – assina o termo de adesão da Bancoop em março de 2004. O acordo já previa o número do apartamento. Outros ex-proprietários confirmaram que já sabiam previamente dos apartamentos que caberiam a eles, antes mesmo de realizarem qualquer pagamento à cooperativa. “Para mim e para muitos, o apartamento já vinha definido na hora da compra”, diz a advogada e ex-cooperada Tânia de Oliveira “Até porque havia variações de preço de acordo com o tamanho, o andar, a vista e a localização”, afirma.
DOCUMENTOS NÃO MENTEM
Os documentos lançam luz sobre as inconsistências das versões apresentadas por Lula. Os trâmites, por assim dizer, burocráticos desde a incorporação pela OAS dos apartamentos da falida Bancoop são fundamentais para atestar documentalmente que, sim, a família do ex-presidente sempre teve a intenção de permanecer com o tríplex de frente para a praia. Desmoronam o castelo de areia em que se transformou o imóvel do petista. O escândalo, no entanto, vai além de uma questão de formalização. Uma série de depoimentos revela que Lula e Dona Marisa agiram – com impressionante desassombro, até serem confrontados com os fatos – como verdadeiros donos do imóvel.
A ex-primeira-dama acompanhou de perto a reforma do tríplex, paga pela OAS. Não foram poucas as alterações, como uma simples troca de azulejos do banheiro, por exemplo. As mudanças conferiram uma roupagem nova e mais sofisticada ao imóvel, com cerca de trezentos metros quadrados e vista para o mar.
IMÓVEL SOB MEDIDA
Segundo o engenheiro Armando Dagre, um dos donos da Talento Construtora, empresa responsável pela reforma, as obras foram típicas de quem pretende se instalar no imóvel deixando-o à sua feição. Por isso foram empreendidas mudanças significativas na área da piscina, com a instalação de um espaço gourmet, no acabamento do piso, que passou a ter revestimento de porcelanato, e na escada, que deixou de ser o único elo entre os três pisos do apartamento: para que Lula e seus familiares pudessem vencer os três andares do imóvel com mais conforto foi determinada a instalação de um elevador privativo.
As despesas somaram cerca de R$ 750 mil, pagas pela empreiteira envolvida no Petrolão. O engenheiro foi além em seu relato. Afirmou ter testemunhado uma das visitas da ex-primeira-dama no imóvel em 2014. Em sua companhia, estavam o filho Fábio Luiz e nada menos do que Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS e réu no Petrolão. As idas de Marisa ao prédio foram atestadas por outros dois funcionários do condomínio, em depoimento ao MP-SP. De acordo com eles, de tão interessada, ela chegou a perguntar sobre o uso das áreas comuns – seguindo à risca a liturgia que todo proprietário de um imóvel adquirido na planta cumpre.
RECEBIMENTO DAS CHAVES
Depois da vistoria, a mulher de Lula participou do processo tradicional de recebimento das chaves do imóvel. “Pegamos as chaves do apartamento no dia 5 de junho, inclusive dona Marisa — disse Lenir de Almeida Marques, casada com Heitor Gushiken, primo do ex-ministro Luiz Gushiken, morto em 2013 e que foi também presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo. O Solaris abriga outros moradores bem próximos do petista, como João Vaccari Neto e Freud Godoy, uma espécie de faz-tudo do ex-presidente, que, depois de atuar por vinte anos como seu guarda-costas, virou assessor especial do Planalto durante sua gestão.
Esses fatos por si só já colocariam Lula numa enrascada, uma vez que poderiam ensejar uma denúncia por ocultação de patrimônio, como defende um integrante do MP-SP. As investigações acerca da relação de Lula com o imóvel, no entanto, ganharam nova dimensão na semana passada com a entrada do edifício Solaris no radar da força-tarefa da Lava Jato. A “Triplo X”, nome alusivo a tríplex, mira segundo os procuradores “todos os apartamentos” do edifício Solaris, no Guarujá, que estariam sendo usados “para repasse disfarçado de propina (pela OAS) a agentes envolvidos no esquema criminoso da Petrobras.” Questionado durante entrevista coletiva, se Lula seria o foco da operação, o representante do MPF respondeu: “Se houver um apartamento lá que esteja em seu nome [de Lula] ou que ele tenha negociado, vai ser investigado como todos os outros.”


Enviado por: Ricardo Trigueiro <ricardo.trigueiro@hotmail.com

O BRASIL SANGRA!!!! DIZ LÍDER MILITAR BRASILEIRO

pimentel e tanques



O presidente do Clube Militar, General Roberto Rodrigues Pimentel publicou na página da entidade,  um duríssimo "pensamento" como costuma definir, onde chama o ex-presidente Lula de 'EXECRÁVEL LÍDER". Mesmo na reserva, a liderança das forças armadas permanece hígida. Os clubes Militar, da Marinha e da Aeronáutica são "os tambores" da caserna...
Leia o manifesto:
O Brasil emburreceu nesses anos de inacreditável submissão ao lulopetismo. É triste constatar, mas ficou com a cara e os vícios do seu execrável líder e da sua sucessora, enfiada por ele goela abaixo de um povo iludido.
Temos uma governante(?), sem qualquer exagero, incapaz de articular uma frase que seja compreensível ou provida de lógica.
As nossas instituições, para pior dos males, foram juntas. Calaram-se, tornaram-se menos inteligentes; e também omissas.
Onde a voz da Igreja, das Forças Armadas, das Universidades, da Comunidade Científica, dos Intelectuais, dos poucos Políticos com "P" que eventualmente ainda restem? Desistiram? Será que ainda podemos vê-los como forças vivas da nação? Nossos formadores de opinião? Há dúvidas. E o Povo, onde está?
Bem representativo do momento pobre e triste que vivemos foi a descoberta do "Fantástico", programa dominical da Rede Globo, da "nova cara do Brasil", uma meia dúzia de jovens da classe média paulista, entre 16 e vinte anos, desafiando a polícia em protestos contra o aumento de R$0,30 nas passagens dos coletivos urbanos.
Seria até compreensível a cobertura e apoio a tal movimento:
– se os pais daqueles jovens não estivessem às voltas para pagar as contas dos serviços públicos, da energia elétrica, por exemplo, que sobem a cada mês em valores absurdos, por absoluta incompetência do governo central;
– se não vivêssemos o caos a que foi conduzido o sistema de saúde, literalmente paralisado em várias cidades;
– se não tivesse quebrado, fruto do roubo e da corrupção oficial, a nossa maior empresa estatal com prejuízos irrecuperáveis;
– se não estivéssemos com a inflação fora do controle e diante do aumento geométrico do número de desempregados.

Dentro de uns poucos dias estarão de volta os parlamentares e integrantes do judiciário, depois do longo recesso a que fazem jus. Mas chegam já de olho nos dias de folia carnavalesca, pois ninguém é de ferro. E prontos para entrarem em clima de Olimpíadas. É tudo festa para eles.
Enquanto isso, o País continuará sangrando. Se enganando, protelando decisões, empurrando com a barriga, mas, sinceramente, não vemos como ter fôlego para alcançar 2018.
Vamos acordar, gente, esse governo cometeu crimes muito graves, por mais que fumaça política procure encobrir. A conduta da presidente Dilma deu suficientes motivos jurídicos e políticos para o seu afastamento pelo Congresso. E isso não pode passar em branco. Razões para protestos o Povo tem de sobra, mas pelos R$0,30 de aumento dos coletivos? Nesse momento?

Gen Div Gilberto Rodrigues Pimentel – Presidente do Clube Militar

CAMPANHA POR UMA NAÇÃO ARMADA - 53

BOLETIM NR 53
_PRIMEIRA PARTE_

Publicado em “BLOGS” em  dezembro de 2011
FORÇAS ARMADAS, AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NO SENADO
 
As audiências públicas da Comissão de Relações Exteriores e Defesa do Senado estão levantando vulnerabilidades estratégicas sem precedentes. Para que se tenha ideia, foi debatido em painel “O Papel das Forças Armadas: Missão Constitucional e Atividades Operacionais; Função Social; Serviço Militar Obrigatório ou Voluntário”. A dimensão de assunto de importância vital para a sociedade brasileira não tem motivado os senadores. Com certeza, a grande maioria deles está sempre atarefadíssima “trabalhando muito mais” junto às bases eleitorais nos estados federação do que propriamente no Congresso. Aliás, só uma lupa para se conseguir divisar alguma “prima dona” senatorial, seja da base carcomida do governo, seja da panelinha perdida da oposição, na programação da referida comissão durante este ano. De qualquer forma, o preparo e a lucidez revelados nas exposições dos especialistas, neste painel, todas praticamente convergindo para conclusões em acordo, deixaram a impressão de que ainda existe um núcleo de pensadores no País capaz de diagnosticar as nossas possibilidades e limitações, os problemas que temos capacidade para resolver e as ameaças que fogem ao nosso controle com os meios disponíveis no tempo presente.

A franqueza preocupada com que um general se manifestou, para o público que se ligou na TV SENADO em anoitecer melancólico, foi de forma a impressionar a todos os presentes. E o militar não usou de meias palavras, foi quase que um desabafo. Entre outras coisas, com relação à missão das Forças Armadas, no referente à sua destinação constitucional para a defesa da Pátria, o profissional das armas, membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, praticamente em tom de denúncia, alertou: que estas instituições nacionais chegaram ao seu limite; que hoje, na situação de penúria em que se encontram, elas simplesmente “não estão em condições de defender a Pátria, sua missão principal”. Disse, também, que só um submarino nuclear não basta para garantir o entorno do pré-sal, sendo necessária no mínimo uma flotilha destes submergíveis.. Quanto a esta verdade, que se esclareça: tão somente a propulsão nuclear não adianta em nada. Será que somos tão “crédulos de carteirinha” ? De que valeria somente a submersão por mais tempo e fugir com maior velocidade e autonomia? Há que se dispor destas belonaves com a capacidade de retaliar, de disparar mísseis, mesmo que convencionais, na situação de submersas.

Infelizmente não dá para discorrer sobre todos os fatos concretos alertados pelo militar, entretanto, quando em uma imagem no “power point” foi mostrada a situação periclitante da nossa fronteira norte, quase toda ela delimitada por reservas indígenas descomunais, a ficha caiu para o Senador Fernando Collor, presidente da dita comissão e maior autoridade no encontro. A “área yanomamy”! Sua imagem desabou como uma bomba no colo de quem procurou justificar o injustificável. A nacionalidade um dia ainda vai cobrar do político inconseqüente este desatino.

Decididamente, estamos a caminhar em túnel sem saída. Aonde vamos parar com este senhor presidindo, simplesmente não dá para acreditar, a Comissão de Defesa no Senado da República? O aposentado “caçador de marajás” vai se dignar a ouvir especialistas militares? Sim porque na época em que ocupava a suprema magistratura do País não lhe faltou o assessoramento de quem sabe das coisas. Mas, convenhamos, pior do que ele ainda só mesmo o colegiado senatorial que, tal qual um grupelho de mentecaptos, sem nenhum compromisso com a realidade, o alçou a função de tamanhas magnitude e importância. Enfim, para tranquilidade de todos, a audiência chegava ao seu final. Já eram aproximadamente oito horas da noite, quem sabe algum parlamentar até já tivesse chegado a Brasília para o ”batente” da semana de três dias, quem sabe?

 Paulo Ricardo da Rocha Paiva
Coronel de Infantaria e Estado-Maior

_ SEGUNDA PARTE _
EXTRATO DO ARTIGO "CRISES E GUERRAS CONTEMPORÂNEAS E
AS PERSPECTIVAS PARA INDÚSTRIA NACIONAL DE DEFESA DO BRASIL"

DA AUTORIA DE LUCAS KERR E PATRÍCIA DE FREITAS

A atual crise política enfrentada pelo Brasil está diretamente ligada à crise econômica, impactando os principais setores produtivos nacionais que impulsionaram o robusto ciclo de crescimento dos anos 2000, a saber, energia e petróleo, construção civil e de infraestrutura, indústria naval, e, ainda, a indústria de defesa. Contudo, a gravidade com que a instabilidade global influencia a política e a economia do país pode impactar seriamente o conjunto destas indústrias, especialmente a última, que tem como principal cliente o Estado.
No longo prazo, a indústria de defesa é vital para o atual processo de modernização estratégico e das capacidades defensivas do Brasil, central para garantir a soberania e satisfatória capacidade defensiva de seu território nacional. Também é uma indústria essencial devido à capacidade de inovação tecnológica e científica, central para o desenvolvimento das demais forças produtivas industriais, apresentando impactos econômicos e sociais como geração direta e indireta de empregos de elevada qualificação e salários, mostrando-se imprescindível para que o país consiga retomar o desenvolvimento econômico. Mostra-se relevante, ainda, para viabilizar a consolidação de cadeias produtivas mais intensivas em tecnologia e mais integradas no âmbito regional, viabilizando a integração das indústrias de defesa da América do Sul. Portanto, é uma indústria essencial não apenas para assegurar a capacidade estratégica do país de exercer sua autonomia no ambiente internacional, mas também de compartilhar novos processos de desenvolvimento e integração com o bloco dos países sul-americanos.

Nos últimos anos a indústria de produtos de segurança e defesa no Brasil passou a ter relevância cada vez mais estratégica, resultando em considerável crescimento, particularmente no período de governo Lula. De acordo com o estudo FIPE realizado em agosto de 2015, entre 2009 e 2014, a indústria de defesa cresceu em média 9,44%. O mesmo estudo constata que nos últimos anos, cada real investido em programas de defesa gerou um multiplicador de 9,8 vezes em valor do PIB, sendo o segmento responsável por 3,7% do PIB do Brasil em 2014, movimentando cerca de R$ 202 bilhões em 2014.
Estes dados são ainda mais significativos quando se considera que o Brasil tem investido apenas US$ 31,74 bilhões ou seja, somente 1,4% do seu PIB em defesa (SIPRI, 2014). Contudo, o corte orçamentário no ano de 2015 poderá significar um corte de mais 24,8% no valor da lei Orçamentária Anual, que já havia sido reduzido para R$ 22,6 bilhões, significando uma redução para R$ 17 bilhões de reais nesse ano.

A adoção de políticas como a inclusão da defesa como um setor estratégico para o Programa de Aceleração de Crescimento (PAC-2), foi uma medida fundamental para garantir recursos para os Programas desenvolvidos pelas Forças Armadas, como o Satélite Geoestacionário Brasileiro (SGDC), PROSUB, PROSUPER, o Sistema Astros 2020, SISFRON, além da aquisição dos caças Gripen NG e da fabricação da aeronave construída no Brasil, o KC-390.
Entretanto, a interrupção desses investimentos e os cortes orçamentária podem trazer não somente incerteza da continuação dos projetos em executados, como também impactos imediatos na economia das empresas envolvidas nesses projetos. Devido ao elevado risco tecnológico eNvolvido neste setor, existe não apenas a ameaça de paralização dos principais projetos de modernização de defesa, como o SISFRON e o PROSUB, como, ainda, pior, o risco catastrófico de destruição da capacidade produtiva da indústria de defesa nacional, ou seja, de um novo ciclo de desindustrialização como o que marcou o país nos anos 1990.

Para que o país consiga superar a crise econômica e política, afastando o fantasma da desindustrialização, é necessário repensar as estratégias de desenvolvimento de suas indústrias inovadoras, de forma a assegurar a sobrevivência destas empresas, que via de regra
dependem muito mais diretamente dos investimentos estatais do que das exportações. O Brasil tem hoje a chance de estar entre os países emergentes que conseguem assegurar sua defesa com seus próprios sistemas de alta tecnologia, mas corre o risco de assistir à desindustrialização de sua base produtivo-tecnológica e perder tal possibilidade. Tudo dependerá da prioridade com que a política industrial do setor de defesa será conduzida nos próximos anos.
_ TERCEIRA PARTE_
_ CONSIDERAÇÕES DA COORDENAÇÃO_
_ DECIDIDAMENTE, O  SENADO ELEGER FERNANDO COLLOR PARA PRESIDIR SUA "CREDEN" É MUITO FORTE PARA FFAA QUE, QUANDO COMPARECEM ÀS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS, O FAZEM  PARA PEDIR E NÃO PARA EXIGIR NA SUA JUSTA MEDIDA. MAS, QUE NINGUÉM SE ENGANE, O "PIRES NA MÃO" PERMANECE AINDA HOJE...
_ INFELIZMENTE, E  NÃO É NENHUMA SURPRESA, O "MD" NOS DIAS ATUAIS CONTINUA COM A MESMA FALTA DE VONTADE POLÍTICA PARA EXIGIR O AUMENTO DA SUA PARTICIPAÇÃO NO "PIB", COM O ORÇAMENTO DAS FFAA  VOLTA E MEIA CORTADO, PERMANECENDO ESTAS INSTITUIÇÕES NA MESMA "PINDAÍBA" DO PRIMEIRO MANDATO DA "PRESIDENTA E COMANDANTA" EM CHEFE.
_ OS PROGNÓSTICOS NEGATIVOS LEVANTADOS NA SEGUNDA PARTE DESTE BOLETIM, TODOS, SE CONFIRMARAM NO ANO PASSADO, COM GRANDES POSSIBILIDADES QUE SE REPITAM EM 2016.
_ EXISTE UMA POLÍTICA NACIONAL DE DEFESA/PND E UMA ESTRATÉGIA NACIONAL DE DEFESA/END, ENTRETANTO, ESTÁ FALTANDO SE COLOCAR EM EXECUÇÃO MEDIDAS/PROVIDÊNCIAS DE UMA "ORDEM PREPARATÓRIA" QUE VIABILIZEM, SEM A CAPACIDADE AINDA DE UMA DISSUASÃO EXTRA REGIONAL, UMA REAÇÃO DE PRONTO, COM OS MEIOS EXISTENTES, PARA O CASO DE UMA INVESTIDA PELOS "GRANDES PREDADORES MILITARES" NO PRÉ-SAL E/OU NO ARCO FRONTEIRIÇO DA GRANDE REGIÃO NORTE.
_ NOSSA INDÚSTRIA DE DEFESA DEPENDE MUITO MAIS DIRETAMENTE DOS INVESTIMENTOS ESTATAIS DO QUE DAS EXPORTAÇÕES, DAÍ A NECESSIDADE PRIORITÁRIA DE, AO INVÉS DE SE GASTAR COMPRANDO ARMARIA NOS "MERCADORES NA MORTE", FAZER AS ENCOMENDAS DO QUE JÁ É POSSÍVEL INVESTINDO NO PARQUE INDUSTRIAL DO PAÍS (MÍSSEIS PORTÁTEIS E DE ALCANCE MÉDIO, EMBARCAÇÕES TÁTICAS E, QUEM SABE, ATÉ BLINDADOS SOBRE LAGARTAS QUE JÁ FABRICÁVAMOS DESDE DE 1980, ISTO SEM FALAR NA MUNIÇÃO PERTINENTE.



ATENÇÃO!!!! AMEAÇA DA MILITÂNCIA VERMELHA JOGARIA “OS TANQUES NAS RUAS”

tanques   lula e dilma
AMEAÇA! Prisão de LULA jogaria os “Tanques na RUA” e vai “tocar fogo neste país” – A matéria está publicada na Revista Sociedade Militar e o Cristalvox republica, na íntegra,  dado a seu preocupante conteúdo – real e imediato na opinião do editor- … Faz menção a uma frase dita pelo então comandante militar do Sul, General Mourão. ” As Forças Armadas, por meio de análise prospectiva, realizaram estudos e construção de cenários possíveis em caso de CONVULSÃO SOCIAL.”
Vivendo momentos de terror diante do possível indiciamento de LULA, a esquerda já começa a incitar movimentos sociais para uma grande revolta popular se LULA for preso.
Ao mesmo tempo em que o Partido dos Trabalhadores se empenha em suas tentativas de levantar o moral do ex-presidente, dizendo que é o “seu plano A” para 2018, o exército esquerdista de Blogs e Minisites dispara contra a direita. O objetivo é fazer a sociedade acreditar que as investigações que se aproximam de LULA e seu séquito são movidas pela “direita” e não pela justiça brasileira.
Como disse o General MOURÃO há bem pouco tempo. As Forças Armadas, por meio de análise prospectiva, realizaram estudos e construção de cenários possíveis em caso de CONVULSÃO SOCIAL.
Que os articulistas, blogueiros e redatores de sites chapa branca fiquem bem atentos, não se brinca com a sociedade, manipular multidões é algo extremamente perigoso. Se Lula for preso e o país for lançado numa guerra intestina por conta de manipulação midiática da sociedade, cada um deles será encontrado e devidamente responsabilizado pelo que têm dito nas redes, revistas e jornais.
Alguns sites disseram na tarde dessa sexta-feira: “Há uma contra-ofensiva em preparação. Este país vai parar. Protestos em defesa de uma das maiores lideranç políticas do mundo serão muito maiores do que contra a ameaça ao mandato da presidente. Mesmo grupos da esquerda que se opõem ao govrno Dilma sabem que Lula não é o alvo, mas a esquerda…”
Dizem ainda: “… Essa gente não faz ideia do que estão fazendo… Não tem ideia da reação que será desencadeada… Se acha que o movimento sindical, os movim. sociais, os partidos e própria militância ficarão passivos vendo a direita prender uma liderança política como Lula sem o amparo de provas incontestáveis, enlouqueceu. E tais provas não existem…   A pretendida prisão política de Lula vai tocar fogo neste país. Se eles quiserem pagar para ver, vão ver. E vão se arrepender. Precisarão pôr tanques na rua (de novo) para concretizar esse golpe.
Não esquerda. Não é bem assim. Protestos em favor de Lula nunca viriam da sociedade de forma voluntária. Os protestos da esquerda tem sido cada vez menores, ainda que comprados a preço de pão e mortadela. Se movimentos sociais como MST e CUT forem para a rua e agirem contra a lei será muito fácil identificar quem os manipulou.
Se LULA for preso e a esquerda reagir de forma criminosa e violenta isso será apenas a “cereja do bolo” e assim estará mais do que provado que a esquerda mentiu durante décadas no Brasil. Estará provado que a distribuição de renda visava tão somente enriquecer os membros da intelligentsia esquerdista que por esses dias não têm dormido muito bem ante a perspectiva de que percam tudo o que já foi “expropriado” da sociedade.
Quando os “heróis” José Dirceu e Genoíno estavam na porta da cadeia bloguinhos também teriam cogitado uma reação contra o que chamavam de “golpe”. Mas, como vimos, ficou só no gogó. A reação foi tão somente arrecadar dinheiro entre petistas para que os “heróis” não sacassem de seus gordos cofres a quantia que precisavam estornar para o estado.
Pode ser que lideranças fieis a Lula obtenham êxito em atirar o Brasil numa convulsão social que dure algum tempo. Mas, esta não será em hipótese alguma criada pelos militares e pela chamada direita.
Todo o planeta é testemunha que a esquerda jogou o Brasil no caos. O catastrófico governo do PT foi responsável direto pelas dificuldades atravessadas hoje pelo Brasil e segundo tabela divulgada pelo FMI, até pelo baixo desempenho da economia mundial. A ZIKA, que em outros países foi doença rapidamente controlada, por aqui se alastrou e agora ameaça as Américas.
As forças de segurança desse país, ainda que assediadas, não se deixaram seduzir pelo discurso fantasioso e sem qualquer coerência da esquerda, ainda que esta seja a dona da situação ha mais de uma década.
Forças Armadas e policias de todo o país saberão muito bem quando e como agir. Se o “pior” acontecer e isso for necessário, pode ser que a “arrumação da casa” dure um tempo razoável. Após isso cada um será colocado em seu devido lugar.

Original/Completo em 


O ANTAGONISTA DISPÕE AOS LEITORES A INTEGRA DE UM CONTRATO QUE CONSE4GUIU DA BANCOOP ( é extenso)

A ÍNTEGRA DO CONTRATO DA BANCOOP

Brasil 01.02.16 12:13
O Antagonista obteve a íntegra do contrato que cada associado à Bancoop assinava ao negociar a compra de seu imóvel no Solaris, então chamado Mar Cantábrico.
Já ficou chato repetir isso, mas o parágrafo primeiro é bem claro ao dizer que "o associado compromete-se com a Bancoop a participar do referido empreendimento com o objetivo de ADQUIRIR UMA DAS UNIDADES HABITACIONAIS".
Lula mentiu por meses e em rede nacional falando que comprou uma cota. Ou vai dizer que Marisa assinou sem ler.

Confira aqui a íntegra do documento.


http://www.oantagonista.com/posts/a-integra-do-contrato-da-bancoop

MP suspeita de cadastro de Marisa na Bancoop

Brasil 01.02.16 

O MP de São Paulo suspeita da veracidade do termo de adesão de Marisa Letícia à Bancoop, apresentado pelo Instituto Lula, e vai requisitar o documento original.
O Antagonista reproduz abaixo a ficha de outra associada, chamada Tânia Cristina. O cadastro básico está completo, com número dos documentos, data de nascimento, e todos os dados do cônjuge. Bem diferente do cadastro de Marisa.





http://www.oantagonista.com/posts/mp-suspeita-de-ficha-de-marisa

Lula investigado! Veja as malandragens no tríplex e no sítio do ex-presidente

 
Elevador privativo pago por empreiteira do petrolão é símbolo de como petista sobe na vida

1) Os custos dos favores
A OAS gastou 777 mil reais na reforma do tríplex de Lula no Guarujá, de acordo com o engenheiro Armando Dagre.
A Odebrecht gastou 500 mil reais – só em materiais para obras – na reforma do sítio de Lula em Atibaia, de acordo com a fornecedora Patrícia Fabiana Melo Nunes.
Duas empreiteiras que tinham contratos com o governo e participaram do esquema de corrupção da Petrobras, portanto, gastaram pelo menos 1 milhão e 277 mil reais em supostos favores pessoais para agradar ao ex-presidente da República.
Lula e sua mulher, Marisa Letícia, serão interrogados pela primeira vez como investigados no dia 17 de fevereiro, no caso do tríplex. É cada vez mais provável que o caso do sítio tome o mesmo rumo.
Ambos são gravíssimos e podem enterrar de vez a carreira política de Lula, apesar das tentativas dos envolvidos de esconder seu nome como beneficiário das reformas.
2) A orientação de silêncio
Tudo foi feito na moita.
O zelador do condomínio Solaris disse que um funcionário da OAS lhe pediu para não dizer que o tríplex era de Lula, mas sim da empreiteira. José Afonso Pinheiro, no entanto, relatou ter visto Lula duas vezes no condomínio na época da reforma – uma delas com Marisa, que chegou a indagar “sobre o salão de festas, piscina, áreas comuns”.
Ele afirmou que os seguranças de Lula prendiam o elevador enquanto a família estava acomodada no tríplex, o que gerava reclamações dos demais moradores. A porteira Letícia Eduarda Rodrigues também relatou ter visto Lula no prédio: “entrou, subiu até o apartamento 164-A e foi embora”.
Nenhum petista até agora chamou o zelador e a porteira de ‘golpistas’, mas talvez ainda chamem o engenheiro Dagre, que cuidou das obras. Ele disse ao Jornal Nacional que “estava reunido com um representante da OAS quando Marisa adentrou o apartamento 164-A com Fábio, filho de Lula, um engenheiro da OAS e o dono da construtora, Léo Pinheiro”, depois condenado a 16 anos de prisão por envolvimento no petrolão.
Já os funcionários da obra no Sítio Santa Bárbara eram proibidos de falar com os operários contratados informalmente na região e orientados a não fazer perguntas. Os operários se revezavam em turnos de dia e de noite, incluindo os fins de semana, e eram pagos em dinheiro vivo.
O ditado popular diz que em boca fechada não entra mosquito, mas, como admitiu a própria Dilma Rousseff sobre o vírus da zika: “Estamos perdendo a luta contra o mosquito”. Pois é.
3) Os ‘laranjas’?
O tríplex de Lula está registrado em nome da OAS, mas a Polícia Federal o incluiu no rol dos imóveis com “alto grau de suspeita quanto à sua real titularidade” sob investigação na Operação Triplo X, 22ª fase da Lava Jato. O ‘X’ da Triplo X, claro, é Lula.
O sítio de Lula está no nome dos empresários Jonas Suassuna e Fernando Bittar – ambos sócios de Fábio Luís da Silva, o Lulinha, filho do e­­x-presidente que ficou milionário após o pai chegar ao poder. Suassuna e Bittar compraram o sítio em agosto de 2010, quatro meses antes de Lula deixar o cargo, pelo valor de 1,5 milhão de reais.
4) Os ‘mimos’
O tríplex de 267 metros quadrados foi reformado com acabamentos de primeira linha, teve a piscina refeita, ganhou elevador privativo e arranjos florais pagos pela OAS, mas está abandonado desde que virou alvo de investigações do Ministério Público, como mostrou VEJA em imagens inéditas.
O elevador privativo de Lula, pago por uma empreiteira do petrolão, é o maior símbolo de como petista sobe na vida.
No sítio de Atibaia, as antigas moradias foram reduzidas aos pilares estruturais e completamente refeitas, um pavilhão foi erguido, a piscina foi ampliada e servida de uma área para a churrasqueira. Também há um lago artificial para pescaria, um dos esportes preferidos do ex-presidente, com dois tanques de peixes interligados por uma cascata.
Em 9 de setembro de 1992, a matéria da VEJA “As Floridas Cachoeiras da Corrupção” informava o povo sobre o suntuoso jardim de marajá que o então presidente Fernando Collor de Mello havia construído para si mesmo na famigerada Casa da Dinda, com suas “cascatas e fontes luminosas”, como escreveria anos depois Carlos Heitor Cony.
A cascata de Lula é o maior símbolo de como o petista lutou pelo impeachment de Collor para obter vantagens semelhantes em seu lugar.
5) Promotor desmonta defesa
No caso do tríplex, a defesa do ex-presidente “argumentou” que ele nunca foi dono do apartamento, mas somente proprietário de cotas de um projeto da Bancoop, a Cooperativa do Sindicato dos Bancários de São Paulo que se tornou insolvente e transferiu imóveis inacabados para a OAS (graças a um pedido de Lula a Léo Pinheiro, como revelou VEJA).
Este “argumento” foi devidamente refutado pelo promotor de Justiça José Carlos Blat, do Ministério Público de SP:
“A Bancoop não é um consórcio. A Bancoop oferecia unidades habitacionais. Todos, sem exceção, compraram apartamentos ou casas e, ao longo do tempo, pagaram as prestações devidas à Bancoop, que colocou um sobrepreço indevido, ilegal. Então, todas as pessoas que compraram da Bancoop compraram coisas concretas, ou seja, unidades habitacionais, apartamentos e casas. Não existem cotas da Bancoop”,disse Blat ao Jornal Nacional.
O que existe é o Bolsa-tríplex que a OAS deu a Lula.
6) A tripla malandragem petista
Como o único “argumento” de defesa caiu, Lula recorre a uma tripla malandragem contra a Operação Triplo X e demais fases da Lava Jato: processar jornalistas, “questionar a legitimidade do juiz Sergio Moro para conduzir o processo da Bancoop” e dizer-se a viva alma mais honesta do país.
Lula é mesmo uma alma Solaris.


MONSTROS À SOLTA NO BRASIL

 *Mariano Correia Paredes
 
Com tantos monstros à solta, principalmente pelos “advogados do diabo”, desfilando impunes e livremente nas ruas esburacadas e favelas e no deprimente noticiário social, policial e político, filicidas, parricidas, infanticidas, mensaleiros, “aloprados”, sanguessugas, gabirus, taturanas e outras sinistras faunas, o Brasil parece o filme Jurassic Park. E comparados a eles, o velociraptor, o tiranossauro rex, o carnossauro e outros sanguinários monstros do Cretáceo são mansos gatinhos, pelas razões antropológicas e psiquiátricas que analiso abaixo.
            Esses monstros psicopatas lombrosianos são artrópodes, articulados em partidos políticos e sindicatos, geniais, espertos e autoconfiantes, principalmente confiantes na impunidade. Eles não têm ética, empatia, remorso ou sentimento de culpa. Nascem desprovidos de consciência, um tipo comum de microcefalia e o congresso nas-ceu mal na corrupção eleitoreira é um exemplo clínico e emblemático, sem cura a não ser numa outra ditadura militar, ato cirúrgico URGENTE PARA SALVAR O BRASIL ACÉFALO,  sempre quando está nas mãos e garras de civis apátridas e entreguistas. 
Eles não se importam com o sofrimento que as suas ações antropofágicas e predadoras infligem e afligem nos e aos outros. Eles são “pessoas”, se é que podem ser classificados assim na filogenia humana, insensíveis, cruéis, cínicas e de sangue-frio como serpentes. Na verdade nem sangue eles têm; corre em suas veias uma espécie de linfa semelhante a da barata. Têm sistemas límbicos atrofiados ou inexistentes, prevalecendo sobre o neocórtex os impulsos animalescos do cérebro primitivo reptiliano escatológico e o principal sintoma é ter erotismo por bundas. Aliás, eles são piores do que répteis, porque dotados ou super-dotados de uma irracionalidade diabólica e criminosa, de fazer inveja ao Satanás, o dragão que desgoverna o Brasil e o mundo em seu habitat-paraíso Brasília.
            Para identificá-los já que possuem o mimetismo camaleônico de roupas de grifes, ternos e gravatas Armani, carros de luxo, ferraris, lamborghinis, porshes e jetskis (o amor é lindo...), eles são carismáticos e espertos e praticam “religiosamente” e pagando “dízimos” as únicas leis desse país sem lei: a lei de Gérson (“Levar vantagem em tudo”) e a Lei de Murici (“Cada um por si”). Seduzem por seu charme hipnótico e fluência verbal, principalmente em palanques, porque demagogos, hipócritas e mentirosos, prometendo “mundos e fundos” e raspando o NOSSO DINHEIRO do PIS, PASEP, FGTS, BNDES, INSS, Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Caixa Econômica até o “fundo do tacho” e dos cofres do (já)erário público.
Usam de todos os meios, principalmente de seus meios de comunicação (são “donos” de rádios, jornais, tvs, jabás chapa-branca, sindicatos-pelegos de jornalistas, radialistas y otras cositas más) para vampirizarem e corromperem impiedosamente as suas vítimas e lograrem e lucrarem êxito e impunidade em mandatos “democráticos”, um de seus “meios de vida” e de morte do país, comprados nas “invioláveis” urnas eletrônicas, do SUPREMO TRIBUNAL dos fichas-sujas.
            Outra maneira de se identificar esses monstros quando são “dirigentes” empresariais, sindicais, governamentais e “não-governamentais” (como se, neste país da propina e de laranjas...), eles exploram, escravizam, humilham e assediam sexual e moralmente seus subordinados, principalmente às mulheres, puxam o saco de seus superiores, derrubam o moral da equipe porque imorais, invejosos e indecentes. Chafurdam também e parasitariamente como aspones em sinecuras “púbicas”, federais, estaduais e municipais em concursos “fraudados” e “empresas terceirizadas” de parentes e apaniguados.
Causam demissões sádicas, injustas e arbitrárias, gerando danosos e irreparáveis prejuízos à sociedade. Só eles lucram e podem “pensar grande”; faturam alto e em bom som. São “surdos”: adoram trios elétricos, principalmente em época de “eleição” e som alto em seus carros, os “miquetes”. Eles têm uma mania: chamar a todos que não “pensam”, ou melhor, não maquinam diabolicamente como eles, de “loucos”, “obsidiados” (se são “espíritas”) e “endemoniados” (se são “católicos” e “evangélicos”). Projeção! Projetam nos outros a sua LOUCURA MORAL!
            Porém, esses monstros possuem um farto e perene “habitat”: a sociedade apática, abúlica, covarde, egoísta, indiferente e passiva diante da violência, da fome, da criança abandonada e violentada, da miséria, da prostituição, do desemprego, da insana e brutal concentração de renda, poder e propriedade, “alimentos” desses monstros e, principalmente, no crime de OMISSÃO, previsto e sancionado no artigo 13º do Código Penal e na Constituição Federal, artigo 5º, inciso 43º. Um povo que gosta de “levar vantagem em tudo”, mormente se vendem o seu voto por bolsas família, puta, bandido, empresário, banqueiro, pelego, dentaduras, sandálias japonesas e chinesas e outros badulaques e merrecas, desde o degredado português Diogo Álvares, “construtor” do primeiro “propinoduto”, em 1510, na tribo dos canibais tupinambás, comendo belas índias e contrabandeando pau-brasil. E haja pau, neste país carnavalesco, bundão e esteatopígico, no estágio terminal do paleolítico inferior de Sodoma e Gomorra com ideologia marxista-leninista-stalinista-maoista-gramscista-fidelista-maduristas-llullista-FHCista-filha-da-putista e seus “corolários” CÚ-MUNISTAS do Foro de São Paulo.
            Esses monstros vivem (e muito bem, obrigado, roubando IMPUNEMENTE os nossos impostos!) em simbiose com a sociedade que os engendram e os promovem. SÃO PRODUTOS DO MEIO. Não adianta culpar ninguém mais! Falar mal dos nossos desgovernos e seus monstros é “chutar cachorro morto”, um dos sintomas do “complexo de vira-lata”, tão bem diagnosticado pelo genial jornalista-filósofo-teatrólogo pernambucano Nelson Rodrigues. Aliás, culpar SEMPRE os outros revela mau caráter, doença moral comum em nossos apocalípticos dias. Cada povo tem o monstro que merece, principalmente quando se vota nele e Hitler foi o maior exemplo. Aqui no Brasil ainda vendem o voto... Ô “democracia” mercenária e estúpida... O brasileiro paga e se vende pra morrer e matar o Brasil! E MATAREM O FUTURO DE SEUS FILHOS E NETOS!
            Quando vocês encontrarem um desses monstros em casa (“ditador doméstico” e "eleitor", um dos piores), no trabalho, nas ruas, na “orla” das praias-cloacas (onde desfilam gordas e bem-nutridas em pizzarias e rodízios de churrasco e lagosta as “zélites” caranguejas” que só andam para trás e para o buraco de lama podre, a única coisa que cresce no Brasil, para “exportador” chinês, “empreiteiro” baiano e "mineradora" mineira-come-quieta-psdbista “verem” e que compram as suas commodities bananeiras ou dão propinas e que odeiam a Ordem e Progresso e  juízes de elevado quilate como Sérgio Moro, são reprodutoras dessa fauna), não chamem um paleontólogo. Esses monstros não estão fossilizados. Estão bastante vivos, espertos, ferozes, perigosos, vorazes e AINDA IMPUNES. Chame a polícia, de preferência a POLÍCIA FEDERAL. Vai faltar jaulas... E BALAS! Capichem? O que eles cometem de crimes de lesa pátria e humanidade no Brasil daria pena de morte em qualquer país sério. Mas, no Brasil, quem se importa com isto? Que tem que levar balas são os nossos mendigos, jovens pobres e crianças, nas “balas perdidas” das favelas, marquizes e tugúrios e “achadas” na impunidade da INJUSTIÇA BRASILEIRA. Afinal, o Brasil não é o PAÍS DO CARNAVAL? A propósito, as fantasias que mais vão vender serão as do Lula e a da Dilma... O rei e a rainha Momos do Brasil. Que “mona-anarquia”... Dom Pedro II está se revirando no túmulo.


*Mariano Correia Paredes é consultor em defesa e membro do Grupo Guararapes.