sábado, 24 de janeiro de 2015

ODORICA PARAGUAÇU



Aileda de Mattos Oliveira (19/1/2015) 

Uma senhora apátrida! Apta, portanto, a receber as condecorações de praxe pelo desmonte espetacular do patrimônio moral e cultural brasileiro, coadjuvada por companheiros de ontem e de hoje, sem que um dedo fosse movido para impedir o aviltamento da Nação, interna e externamente. Total consenso desse povo cordial. E isso, sem fraude.
Odorica Paraguaçu, a catastrófica personagem do nosso cotidiano, em mais um discurso hipócrita, lança aos ares a fórmula estrondosa que resume o seu tanto de amor ao País e o seu tanto de respeito à Educação. Realmente, falta a essa desgovernada senhora a salutar autocrítica e um revisor realista.
A tal “Pátria Educadora” soou como uma piada fora de contexto, uma caricatura oral, de um péssimo escriba assessor, querendo fazer média com a população. Mas, qual delas? A que recebe ou paga as bolsas, embora ambas, em matéria de acomodação, igualem-se?
Cópia malfeita, trombuda, saída da ficção, fala sem responsabilidade, apenas preenchendo as formalidades do cerimonial, coisa que a incomoda por não ser usual na sua tribo.
Um conselho, dona: não profane as palavras. Não fale em Pátria, em Educação, em Civismo, em Valores, por não fazerem parte do seu acervo, do seu viver, de sua herança cultural, do seu meio político. Tornam-se sacrílegas expressões na sua irritante voz.
Somente uma política raquítica e rasteira como a brasileira permite a velhacos da República usarem de trapaças verbais que ainda ludibriam Editoriais, ilusória ou convenientemente complacentes.
Ambiciosos demagogos, de baixo nível, costumam transformar o país numa charge continental aos olhos do mundo ao lançarem aos ventos fórmulas de efeito épico, balões de ensaio para avaliação do alcance da próxima vilania.
E a avaliação chegou, só que às avessas, conforme o politicamente correto estabelecido, e provou que a dona Odorica deve desligar a vitrola desarranjada, pois o “ENEM cidadão” confirma que os estudantes (?) seguiram à risca o presidente anterior que nunca leu um livro, e ela própria, que briga com foice e martelo para pôr as “estarrecidas” palavras nos devidos lugares.
Como vemos, essas gerações de futuros dirigentes da nação, foram muito bem-doutrinadas pelos mais caros modelos da boçalidade: o alambiqueiro e a grande mestra da “Pátria Educadora” e, como eles, tiram zero toda vez que abrem a boca ou rabiscam as maltraçadas linhas.
Mas não podemos negar a vitória petista. O resultado do ENEM retrata, com exatidão, o alvo do partido: impedir gerações de brasileiros de progredir, levando-as, progressivamente, de volta às cavernas da ignorância total.
Claro que estão comemorando, pois esse é o primeiro e único objetivo de seu programa de implosão institucional, e com resultado para lá de positivo para a facção.
Para tornar o Brasil um gigante em analfabetismo, em miséria intelectual, o maior do mundo em atraso mental e ser destaque nas manchetes internacionais como “A GANGUE VERMELHA PÔS A PIQUE A FILOSOFIA PLATÔNICA”, é necessário raspar os cofres da PetroPT e do contribuinte otário.
Platão não sabia o “que eles podiam fazer”, principalmente a Odorica Paraguaçu, por isso considerou que quem sai da caverna e vê a luz, jamais a ela voltará.*
Não sabia ele que uma produção maléfica iria ser jogada no mundo e pôr abaixo os clássicos. Desgraçadamente, o Brasil foi a cesta.
*Livro VII, A República.
(Dr.ª em Língua Portuguesa. Vice-Presidente da Academia Brasileira de Defesa)

ABOMINÁVEIS TERRORISTAS



Ernesto Caruso, 20/01/2015
 
       Terroristas do passado, do presente e do futuro, pois que os impiedosos são parte da desumanidade. A eliminar considerados “inimigos, opositores, culpados,” matam, ferem e mutilam inocentes. O cidadão pacífico, desarmado, passante, e assim atingir o “temido opressor”, distante, físico, espiritual.
       Por conta da vida em comum, há que se ter em mente que a liberdade de um, termina quando começa a do outro. Na Lei Maior brasileira consta como objetivo fundamental “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”; vai além e diz, “é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;”. No senso comum, assim se enxerga, se entende e se aceita. Na prática nem sempre se cumpre.
       “Sem preconceitos” pressupõe respeito às diferenças existentes no ser humano quanto à raça, sexo,... Sem quaisquer outras formas de discriminação. Quando se xinga um jogador de macaco ou se insinua de outra forma se demonstra uma atitude agressiva, intolerante, odiosa, uma injúria racial. Que se repete em outras insinuações, chargeando diferenças, às vezes jocosas, sem raiva que no fundo, no fundo não servem. Agridem. Cutucadas nos fundamentos dos outros, mas não nos próprios.
       Ora, quando se escreve e se dá o caráter de norma inviolável, inatacável, o Estado garante ao cidadão o direito à prática religiosa de sua opção e respeito ás suas liturgias.
A lembrar, fato de repercussão midiática as cenas de um pastor evangélico dando pontapés na imagem da N. Senhora Aparecida. Reprováveis, também a invasão de Terreiros, Centros Espíritas, destruição de altares, insultos a outras pregações. Os fundamentos de cada fé norteiam a caminhada na direção do Deus que adoram. Sem que necessariamente os princípios das outras sejam os pontos negativos para reprová-las. Nenhuma religião prega a maldade. As faltas estão no ser humano mal orientado ou doente.
       Claro que o desenvolvimento cultural trouxe rejeição a determinadas práticas ainda que nas liturgias, rituais, antigos eram as normas. O sacrifício de animais e até humanos. A lei dos homens aperfeiçoada a iluminar o convívio social e reprimir os exageros, os considerando crimes.       
       Que o mundo aprenda com o desconcerto havido em Paris não só restrito à reprovação das ofensivas charges publicadas, mas à execução sumária, a citar como exemplo, o assassinato do guarda já prostrado no chão. Ferido. A corrida do terrorista em passadas cadenciadas — imagem do horror — seguida do tiro que espargiu o sangue do inocente derramado sobre a frieza do solo no inverno francês, esteio não só da Liberdade, mas da Fraternidade e da Igualdade. Frieza no tiro fatal.
       Liberdade não é só fazer, dizer, escrever, desenhar o que pensa sem o liame com a Fraternidade, afeto, proximidade, amor, e não pode ser mera palavra exposta em flâmula colorida em azul, branco e vermelho a tremular e bradar Igualdade. Palavras que ecoaram pelo mundo e se transformaram em apelo universal de clamor e respeito ao cidadão, como ente importante no meio que vive.
       Mas, não estiveram presentes em Paris naqueles tristes momentos. Nem quando decapitam jornalistas, explodem carros-bomba como meio de imposição da vontade.   

Dilma e o "programa mais Haitianos"



 
http://youtu.be/faieIMe6mCg



Dilma mantém os seus programas "mais cubanos, mais haitianos mais nigerianos, mais angolanos, mais senegaleses” e muitos outros (ao que me parece, também está saindo do forno o programa mais muçulmanos...), de preferência homens jovens e despreparados, sem formação, sem sabermos exatamente quem sejam, e que abandonam os seus parentes (esposa e filhos talvez atrapalhem...) para receberem ajuda do bondoso governo petista (...) e, obvio, usando o nosso dinheiro para isso...

Agora nos resta uma cruel dúvida: Será que essa gente toda, dezenas de milhares se não chegar a centenas de milhares, estão vindo contribuir para o “pogresso” da nação tupiniquim?

Por acaso, essa gente não estaria sendo usada como massa de manobra e também para a possibilidade de uma guerra a partir da UNASUL?

Que mal me pergunte, da mesma maneira que Dilma se mostrou omissa ou cúmplice na iniciativa de Maduro em armar o MST, também teria algo a ver com uma “importação” de gente para matar brasileiros?



--

“Tantum religio potuit suadere malorum!” 
Lucretius

Meus amigos judeus

 
O assunto é polêmico... e bota polêmico nisso !!.

Mas espero que o Brasil, em que pese a tendencia da esquerda ( dominante no governo, nos ultimos 20 anos,) de incrementar o racismo interno e "tomar partido" , nas historicas lutas no exterior, consiga manter esse clima tranquilo..

Um fato real ilustrativo -- Por uma  serie de
circunstancias , "introduzi" o tergal no 2º BC ( 2º BIL) com a sua utilização pioneira para os Asp R2, Oficiais e Sgt., nos idos de 67.
Nessa "operação" conheci um judeu proprietario de uma empresa textil, ja na época com a melhor qualidade do produto. Conversando sobre assuntos gerais, reparei uma foto de Moshe Dayan, recentemente vitorioso, sobre sua mesa e comentei: foi um brilhante estrategista e conversamos sobre o tema Oriente medio.
Ao final, perguntei a ele , e como fica com seus vizinhos árabes, tambem industriais.
Ele sorriu e respondeu com entusiasmo: " Naão, aqui no Brasil,  não ! Nos encontramos la fora, trocamos palavras e, as vezes ate tomamos um cafe... somos todos  brasileiros"
Será que ainda é assim ?  E, com esses governos incompetentes, conseguiremos manter essa situação ?

A. S.
 A. Santos -  61.9974.6843
BUNKER Consultoria
Brasilia-DF
________________________________________
 Meus amigos judeus

VERDADEIRO  e TRISTE....CONTINUA ATUAL...

O seguinte artigo publicado na Espanha, em 2008, foi escrito por um não judeu.
Nunca veremos este gênero de artigo na nossa imprensa.
Ele ofenderia muitas pessoas. Foi escrito pelo espanhol Sebastian Vilar Rodriguez e publicado em um jornal espanhol, em 15 de janeiro de 2008.
Não é preciso muita imaginação para extrapolar a mensagem ao resto da Europa e possivelmente ao resto do mundo.
.........................................................................................................................................................................................................
TODA A VIDA EUROPÉIA MORREU EM AUSCHWITZ
                               
Por Sebastian Vilar Rodriguez

Desci uma rua em Barcelona e descobri, repentinamente, uma verdade terrível. A Europa morreu em Auschwitz. Matamos seis milhões de judeus e os substituímos por 20 milhões de muçulmanos.
Em Auschwitz queimamos uma cultura, pensamento, criatividade e talento.
Destruímos o povo escolhido, verdadeiramente escolhido, porque era um povo grande e maravilhoso que mudara o mundo.
A contribuição deste povo sente-se em todas as áreas da vida: ciência, arte, comércio internacional, e, acima de tudo, como a consciência do mundo. Este é o povo que queimamos.
E debaixo de uma pretensa tolerância, e porque queríamos provar a nós mesmos que estávamos curados da doença do racismo, abrimos as nossas portas a 20 milhões de muçulmanos que nos trouxeram estupidez e ignorância, extremismo religioso e falta de tolerância, crime e pobreza, devido ao pouco desejo de trabalhar e de sustentar as suas famílias com orgulho.
Eles fizeram explodir os nossos comboios, transformaram as nossas lindas cidades espanholas, num terceiro mundo, afogando-as em sujeira e crime.
Fechados nos seus apartamentos que eles recebem, gratuitamente, do governo, eles planejam o assassinato e a destruição dos seus ingênuos hospedeiros.
E assim, na nossa miséria, trocamos a cultura por ódio fanático, a habilidade criativa, por habilidade destrutiva, a inteligência por subdesenvolvimento e superstição.
Trocamos a procura de paz dos judeus da Europa e o seu talento, para um futuro melhor para os seus filhos, a sua determinação, o seu apego à vida – porque a vida é santa –, por aqueles que prosseguem na morte, um povo consumido pelo desejo de morte para eles e para os outros, para os nossos filhos e para os deles.
Que terrível erro cometido pela miserável Europa.

Os judeus não estão promovendo lavagens cerebrais a crianças em campos de treino militar, ensinando-os a fazerem-se explodir e causar um máximo de mortes a judeus e a outros não muçulmanos.
Os judeus não tomam aviões, nem matam atletas nos Jogos Olímpicos, nem se fazem explodir em restaurantes alemães.
Não há um único judeu que tenha destruído uma igreja. NÃO há um único judeu que proteste matando pessoas.
Os judeus não traficam escravos, não têm líderes a clamar pela Jihad Islâmica e morte a todos os infiéis. Talvez os muçulmanos do mundo devessem considerar investir mais numa educação modelo e menos em queixarem-se dos judeus por todos os seus problemas.
Os muçulmanos deviam perguntar o que poderiam fazer pela humanidade antes de pedir que a humanidade os respeite.
Independentemente dos seus sentimentos sobre a crise entre Israel e os seus vizinhos palestinianos e árabes, mesmo que creiamos que haja mais culpas da parte de Israel, as duas frases que se seguem, realmente, dizem tudo:
"Se os árabes depusessem, hoje, as suas armas não haveria mais violência. Se os judeus depusessem, hoje, as suas armas, não haveria mais Israel." (Benjamin Netanyahu)
Por uma questão histórica, quando o Comandante Supremo das Forças Aliadas, General Dwight Eisenhower, encontrou todas as vítimas mortas nos campos de concentração nazista, mandou que as pessoas, ao visitarem esses campos de morte, tirassem todas as fotografias possíveis, e para os alemães das aldeias próximas serem levados através dos campos e que enterrassem os mortos. Ele fez isso porque disse de viva voz o seguinte:
"Gravem isto tudo, hoje. Obtenham os filmes, arranjem as testemunhas, porque poderá haver algum malandro lá embaixo, na estrada da história, que se levante e diga que isto nunca aconteceu."

Recentemente, no Reino Unido, debateu-se a intenção de remover o holocausto do currículo das suas escolas, porque era uma ofensa para a população muçulmana, a qual diz que isso nunca aconteceu.
Até agora, ainda não foi retirado do currículo. Contudo, é uma demonstração do grande receio que preocupa o mundo e a facilidade com que as nações o  aceitam.
Já passaram mais de 60 anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial.
O conteúdo deste e-mail está sendo enviado como uma cadeia, em memória aos 6 milhões de judeus, dos 20 milhões de russos e dos 10 milhões de cristãos.
Agora, mais do que nunca, com o Irã, entre outros, reclamando que o Holocausto é um mito, é imperativo assegurar-se de que o mundo nunca esquecerá isso.

É intento deste e-mail  chegar a 400 milhões de pessoas. Que seja um elo na cadeia-memorial e ajude a distribuí-lo pelo mundo.
Depois do ataque ao World Trade Center, quantos anos passarão antes que se diga: NUNCA ACONTECEU, porque isso pode ofender alguns muçulmanos nos Estados Unidos?
--
Sergio Krau

MPF: Cerveró faz parte da maior organização criminosa da história



O Ministério Público Federal (MPF) enfatiza, no pedido de prisão do ex-diretor da Área Intenarcional da Petrobras Nestor Cerveró, que ele faz parte da "maior organização criminosa que a história já revelou" no país. Segundo os procuradores, mesmo com as investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF), a atividade do esquema de corrupção não foi estancada. A prisão de Cerveró foi determinada no dia 1º de janeiro, mas efetivada somente ontem (14) porque ele estava em Londres.

 

Segundo os procuradores, há evidências de que Cerveró acumulou fortuna no Brasil e no exterior, oriunda dos crimes cometidos com os desvios da Petrobras. Segundo o MPF, foi necessária a decretaçao da prisão para evitar que os valores sejam ocultados da Justiça.

 "O que é certo, de tudo isso, é o enriquecimento espúrio e a falta de conhecimento por parte do Estado de onde estão as dezenas de milhões de reais que [o ex-diretor da Petrobras] recebeu criminosamente.
Sabe-se que o dinheiro não está com Cerveró, porque não está em suas contas no Brasil. Em outras palavras, tudo indica que esse dinheiro está sendo ocultado, o que também caracteriza lavagem de dinheiro", afirmam os procuradores.

Mais sobre a Operação Lava Jato
Mais sobre Petrobras

Além dos valores ocultados, o Ministério Público reafirmou que, mesmo após a deflagração da Operação Lava Jato, no ano passado, ficou comprovado que o esquema de corrupção se estendeu até 2014.

"Assim sendo, neste item observa-se que a dimensão
econômica dos crimes praticados por Cerveró e pela organização criminosa em que se insere geram impacto gigantesco na ordem pública e econômica. Como dito, trata-se do maior escândalo de corrupção da história do Brasil. Mais do que tudo isso, é um esquema em que não se tem provas de que foi estancado. Houve fatos em 2014 e, como antes demonstrado, Cerveró continua a praticar atos de lavagem. Isso tudo, mais uma vez, justifica a custódia cautelar", reafirmou o órgão.

Cerveró foi preso na madrugada de hoje, no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Rio/Galeão - Antonio Carlos Jobim, após desembarcar de um voo proveniente de Londres. Ele foi encaminhado para a Superintendência da PF em Curitiba, onde outros investigados na Lava Jato estão presos.

De acordo com relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), no dia 16 de dezembro, Cerveró sacou R$ 500 mil em um fundo de previdência privada e transferiu o valor para sua filha, mesmo tendo sido alertado pela gerente do banco de que perderia 20% do valor. Em junho do ano passado, Cerveró havia transferido imóveis para seus filhos, com valores abaixo dos de mercado. Na intepretação do MPF, o ex-diretor tentou blindar seu patrimônio, e por isso, a prisão foi requerida.

O advogado de Cerveró, Edson Ribeiro, disse que não
houve ilegalidade na transferência de bens para parentes, e estranhou a prisão de seu cliente. “Desde 1º de abril coloquei o Nestor Cerveró à disposição tanto do Ministério Público quanto da Polícia Federal, e nenhum dos dois órgãos se interessou em ouvi-lo. Até ontem [13], ninguém o havia procurado. Além disso, quando ele foi para a Inglaterra, comuniquei ao Ministério Público e à Polícia Federal que ele estava viajando e que voltaria em janeiro. Deixei, inclusive, o endereço onde ele estava”